Como aumentar a chance de sucesso na implementação de uma estratégia

3 maiores dificuldades para construir e liderar equipes + 4 dicas valiosas para gerenciar de verdade uma equipe
Fevereiro 15, 2019

Como aumentar a chance de sucesso na implementação de uma estratégia

Diferentemente do que se pensa, a melhor maneira de aumentar a chance de sucesso na implementação de uma estratégia é trabalhar a aspiração, as vulnerabilidades críticas e as prioridades.

As equipes de liderança ficam presas ao presente ao definir objetivos estratégicos e priorizam atividades que manterão os negócios rodando como sempre. A tentação de ancorar a estratégia no status quo é fácil de compreender, mas estimula os colaboradores a focar nas melhorias incrementais para vencer a guerra passada, em vez de prepará-los para a batalha seguinte.

Ocorre que, em mercados dinâmicos, os objetivos que agregam mais valor costumam ser novos e não rotineiros: lançar inovações de ruptura, por exemplo. Visões corporativas podem ajudar os gestores a abandonar a manutenção do status quo e forçá-los a pensar mais ampla e criativamente sobre os passos necessários para alcançar o futuro desejado, implantando uma boa estratégia, com foco sustentado e os investimentos necessários para obter sucesso.

Se a aspiração – visão ou missão – não for intensa, inspiradora, diferenciada, geradora de comprometimento e motivadora, os executivos deverão investir tempo para articular uma aspiração que pelo menos possa ajudar a quebrar as amarras do modo habitual de fazer negócios e infundir na organização as prioridades estratégicas com significado.

Os elementos-chave de uma estratégia tendem a ser aqueles que estão mais densamente conectados a outras escolhas. Então, um bom ponto inicial é identificar os pontos do mapa estratégico que tenham mais conexões. Conforme se avaliam tais elementos, deve-se procurar identificar os que mais contribuem para captura e criação de valor.

Uma boa técnica para avaliar as vulnerabilidades é colocar-se no lugar de uma concorrente do tipo startup disruptiva e de uma rival estabelecida. Que vulnerabilidades as duas atacariam?

Uma vez que a equipe tenha identificado suas vulnerabilidades mais graves, é preciso saber como abordá-las. Para cada solução, sempre haverá incerteza quanto a recursos e tempo exigidos, além de capacidade de reagir à concorrência, adequação técnica e possibilidade de sucesso.

Às vezes, os gestores reagem a um amplo espectro de opções jogando uma série de coisas contra a parede na esperança de que alguma grude nela. Essa abordagem é bastante comum. Entretanto, o perigo de apostar as fichas corporativas em muitos objetivos é fazer as iniciativas essenciais morrerem de fome.

Para evitar desperdiçar tempo, esforços e recursos, os líderes precisam fazer escolhas entre objetivos potencialmente concorrentes e conflitantes. As discussões sobre como resolver essa necessidade de escolha são sempre difíceis, porque produzem “vencedores (que recebem mais recursos) e “perdedores” (que podem ver seus projetos queridos serem mortos e sentir sua importância pessoal diminuída).

Equipes de liderança sempre tentam tomar uma série de medidas para evitar o conflito. Por exemplo, conciliar prioridades diversas, concordar com generalidades vagas, requisitar análises infindáveis ou esperar por um consenso. Contudo, quando se trata de definir prioridades estratégicas, a ausência de conflito é tipicamente um indicador de fracasso, em vez de sinal de uma discussão saudável.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *